Você sabia que cantar faz bem?

Todos nós conhecemos a célebre afirmação do personagem Dom Quixote, da obra de Miguel de Cervantes, escrita há mais de 400 anos: “Sempre ouvi dizer: quem canta seus males espanta”. E não é que ele estava certo? Estudos mostram que cantar produz endorfina, a mesma substância gerada quando realizamos exercícios físicos, fazemos sexo ou comemos chocolate. Além de ter uma potente ação analgésica, esse hormônio também estimula a sensação de bem estar, autoconfiança, otimismo e conforto.

Cantar também diminui o stress, melhora a capacidade pulmonar e ativa o sistema cardiovascular. Quando cantamos, trabalhamos os músculos abdominais e faciais. Quem investe em um canto consciente e respeita seus limites e percepções individuais, associado aos cuidados relacionados à saúde vocal, além de observar ganhos na voz, poderá amenizar os efeitos do envelhecimento. É, infelizmente a voz envelhece, pois como todos os músculos do corpo sentem o passar dos anos, com o músculo das pregas vocais (popularmente conhecida como cordas vocais) não seria diferente.

cantarE por que não começar agora mesmo? Há espaço para todos aqueles que querem cantar, sejam amadores ou profissionais. É comum encontrarmos corais em igrejas, faculdades, escolas, empresas e clubes, que recebem pessoas que, além de terem em comum o fato de cantarem apenas “no chuveiro”, também estão em busca de integração social e motivação para suas vidas. E acreditem, se a dificuldade em cantar é a afinação, não se preocupe que tem solução, mas esse assunto fica para um outro texto. Portanto, vamos seguir o conselho de Martinho da Vila:

“Canta, canta, minha gente, deixa a tristeza pra lá!”.

Artigo de Camila Miranda Loiola e Marta Assumpção de Andrada e Silva
pucsp.br